Solidariedade e amor: Chef Karlota Fonseca, nordestina que mora em Orlando, participa de projeto voluntário em prol das vítimas do furacão Ian

O furacão Ian foi um grande desastre natural, classificado na categoria 4, que causou danos generalizados no oeste de Cuba e no sudeste dos Estados Unidos, especialmente nos estados da Flórida e Carolina do Sul. Entre tantas cidades atingidas, a cidade de Fort Myers, que antes era um lugar tranquilo às margens do Golfo do México e reconhecido mundialmente pela sua linda praia, está irreconhecível. Após a passagem de Ian, Fort Myers Beach é uma cidade que ainda está em luto e é percorrida pelos veículos dos serviços de emergência e pessoas que voltam para casa para verificar tudo o que perderam.

Para amenizar um pouco todo o sofrimento que essas famílias estão passando e renovar as energias para recomeçarem suas vidas, um prato de comida quente pode fazer toda a diferença. Foi com esse intuito que começou a Operação Fort Myers, iniciativa da Organização Não Governamental Verelief. O presidente da Ong, Fred Martins, procurou a chef Karlota Fonseca, que prontamente se dispôs a participar dessa importante missão para o estado da Flórida e todo país norte-americano. “Foi Deus que colocou a Karlota e sua equipe no nosso caminho na hora certa. Ela com toda sua experiência foi fundamental para que a gente organizasse todo o processo, afinal, se trata de um projeto de alta escala. Fazemos mais de 500 marmitas por dia e temos escalabilidade para fazer até mil marmitas”, detalha.

Mesmo após alcançar o ápice do sucesso fora do seu país de origem, o Brasil, e sendo reconhecida pelo seu trabalho nos Estados Unidos como a “Chef das estrelas”, karlota não esconde a emoção em participar de um projeto tão especial e que ajuda diretamente tantas famílias. “Esse país já me deu e ensinou muito, me acolheu, então sinto uma eterna gratidão pelo meu crescimento nele, por isso que onde eu puder ajudar é só me chamar, lá estarei eu”, declara a chef.

A chef Karlota se deslocou de Orlando até Fort Myers para estruturar uma cozinha com padrão industrial. Além da estrutura física, ela também deixou o menu e as respectivas fichas técnicas para uso na produção diária de 500 marmitas. Essas marmitas estão sendo distribuídas nas comunidades que foram mais atingidas pelo furacão e para as equipes que estão trabalhando na reconstrução do que foi destruído. A cozinha que foi montada pela ong Verelief sob o comando da chef Karlota, fica localizada na sede da igreja Reobote e conta com a ajuda de voluntários para essa produção diária.

Depois desse trabalho feito pela chef, a cozinha ficou estruturada para que qualquer voluntário que chegar, consiga ajudar mesmo sem experiência em cozinha. Segundo o presidente Fred Martins, o objetivo é distribuir 10 mil refeições quentes e também cerca de cinco mil cestas básicas. Um trabalho que envolve muito amor e dedicação para amenizar o sofrimento das comunidades atingidas.